Osório César foi um dos primeiros psiquiatras brasileiros interessado em estudar a arte produzida por pacientes psiquiátricos, tendo iniciado esses estudos nos anos 1920 no Hospital do Juquery. Seu nome e seus trabalhos estão quase esquecidos. Este blog procura divulgá-los.

domingo, 23 de outubro de 2016

Capítulo 6 – Parte 4 – A Expressão Artística nos Alienados


...continuação do texto, em que Osório Cesar continua o relato do mesmo paciente... (sob o título “Um literato excêntrico do Hospital do Juquery)

     Ouçamo-lo quando fala de si próprio:

     Eu não escrevo palavreamento de cruzado Palavreado. Minha opera está toda engastada. – Qual diamante que artístico ourive engarça em raros anéis – no veículo tangível e impalpável, da Frase Retangular...
     Meu Estilo é meu; as ideias que voam sobre ele me pertencem, com a prioridade individual e inconfundível de minha Personalidade...
     Egolatria? Por quê? Porque sou original? – Porque combato a Pinacotecomania reinante e usada por os Medíocres?
     Se alguém me qualificasse de tal, por o menos, terá de confessar, a meu favor, a garantia inconsútil de meu próprio ponto de vista literário. E essa Concessão – a fortiori – constitui meu mais espontâneo triunfo sobre os amanuenses fabricadores de enigmas cruzados de Literatura de Encruzilhada...
                                                                                 Março de 1926.

     Temos aí a prova de um desenfreado egocentrismo próprio dos cérebros desequilibrados como é o seu.
     Em todos os escritos de L. o que mais nos chama a atenção, além dos inúmeros neologismos de sua autoria, são o palavreado revolucionário, sempre o mesmo contra tudo e todos que discordem do seu modo de pensar, e o seu egocentrismo exagerado.
     Vejamos agora um dos seus últimos trabalhos, “Siete aforismos sobre Arte”, inspirado no busto de bronze do Prof. Franco da Rocha, obra do escultor Pinto do Couto, a quem ele dedica o referido trabalho. É um trabalho interessante, no qual ele dá expansão à sua exuberante verbosidade.

Siete aforismos sobre Arte
Especial homenage al artista Pinto do Couto,
             mi luminoso amigo.
                                             São Paulo, 3 – 4 – 1928.
                                                                 L.

                                                     I

     Exteriorizar y expressar La Belleza es la sublime mission de todo Artista; es decir de aquél Predestinado que siénte, dentro de si, la llama de um ideal magestuoso y fecundo...
     Aquél fuégo interno que aniquila El Deseo , produce la gestación misteriosa de la Obra Artistica, que al objetivarse, refresca y musicalisa la plácida región de los ensueños...
     En ese oculto reino del Yo, el alma del que crea, siénte la lhuvia de la inspiración caer sobre su vision, que se convierte por taumaturgia, en e lacto vigoroso y estable de La Realización Estética...
     En aquél Párto milagroso y transcendental, todo, hásta el Dolor, se transfigura en extasis delelitable y emoción definitiva...
     Las Rosas de La Meditación abren sus pétalas en el jardin del Alma, y un hálito de Eternidad levantasse, vigorizando la ilusión placentera del Artista... En aquél momento, el hombre que crea siénte las emanaciones de La Gloria, saturando su vida Subjectiva...
     Todos los eflúvios vitales de La Satisfacción y el Exito, son inhalados por El Ensoñador en ese dia divino, en que su aspiración se realiza, y su sueño se estatifica...
No existe emoción comparable á la experimentada en el Instante Precioso del Alumbramiento Bello-Artistico. El hombre, al crear, está por encima de La Natura, y saboreando la motivazión de su concepción ideal, se auto-diviniza!...

                                    II

     Toda Obra de Arte és um poema cristalizado...
     Todo Artista és el Cantor épico de La Sinfonia, multicolor y multiforme, de su proprio Cerebro...
     La Poesia, La Escultura, La Música, La Pintura, que són sinó la sonora encarnación del Tódo, vibrando en Lo infinito?...
     No si concibe la Harmonia Cósmica sin Las Bellas-Artes; asi como tampoco se puéde contemplar El Universo, sin el ritmo que el Artista verídico le imprime...
     El Arte informa La Taumaturgia más gloriosam de Los Siglos y El Espacio!... El constituye el único Oasis en el Desierto que atraviesa La Especie, y... su eterna influencia, qué de ser la sóla Garantia del Existir. La Vida sin El Arte: - Lúgubre equivoco mortuário!...

                             III

     En Arte hay que caminhar siémpre, nunca descansar. El Artista que mucho reposa y poco estudia, retrocede, y por conseguinte, atrofia su idiosincracia. El Arte, como todo, necessita y exige constancia y practica...
     Es por eso que todo Artista, laborioso y ágil logra culminar en su ideal Artistico...
     Los Grandes Escultores, de Miguel Angelo a Rodin, de Praxiteles a Canova, de Bernini a Sorolla y Teixeira Lopes, etc, etc, que fuerón, sino Grandes Apasionados de la meditación estudiosa, verdaderos auto-modelos de gloriosa tenacidad?...
     Aquellos Poetas del Marmol no hubiesen llegado a la cima de La Consagración sin antes haber sido perseverantes artífices de su voluntad operatriz...
     De ahi su Gloria modelada en el bronce immortal... de la admiración Universal!...

                      IV

     Adonde principia la decadencia del Arte?
     - Principia em el dia em que el Artista deja de renovar su ideal, es decir, abandona y olvida los preceptos salutares de La Renovación Estética, única fuente de deleite artístico, sólo y perene manantial de Placer Subjectivo...
     El conservantismo, en El Arte, resulta contraproducente y... peligroso.
     La Rotina és inadmisible en Obras de Belleza...
     La Vénus de Milo, por ejemplo, no constituye modelo estático... Ella sugiere al artista Moderno la grandiosidad de la plastica, péro, siempre dentro el limite de la evolución dinamica, de las diversas Escuelas...
     No hay modelo quieto. Tódo en Arte es cambiante y renovatriz.
     Si asi no fuese, la Originalidad creadora se reduciria a conservar indefinidamente... lo que constituye un Absurdo...

                                         VI

     La única razón de la existencia del Arte, és la Belleza...
     No háy porqué indagar ótra causa, en materia Artistica...
     Tódo Artista possue un modus Estético, péro la finalidad del Arte, és siempre una: la producción de Belleza!...

                                   VII

     La Plasticidad, La Armonia, La Exactitud, El Ritmo: he ahi los componentes misteriosos del Arte al exteriorizarse... La Obra Artistica, debe contener todos los ingredientes estéticos de la Forma y Lugar, de acuerdo con las reglas de La Sonoridad Musical permanente.
     Si, porque todo Arte tende a encantar, y al transladar la musicalidad inherente al Ideal, el Artista solo ansia estereotipar, el sueño immortal de la Belleza!...
     Esa la razón porque todas las Escuelas, - Clasica, Romantica y Moderna poseen uma única finalidad: la impresión eternizable de La Producción Bella, en los moldes inconfundibles de La Emoción, quintaesenciada, estable y verídica. No háy tendencia ó dirección exclusiva, artisticamente.
     La que existe és la enfocación original, de la Vision Sublime, dentro cauce, tambien original, de la Personalidad Creatriz. Voilá tout...
     Gloria, pués, al Arte, y Loor al Artista ETERNAMENTE!...

***

     Entre os grandes poetas franceses do século passado, o egocentrismo era uma manifestação quase comum nos seus escritos, dando aparência de um franco desequilíbrio mental. Daí o aparecimento do célebre livro de Nordau “La Dégénération”, que tanto deu o que falar aos revolucionários da arte nova. Desses poetas, Rimbaud foi um dos mais excêntricos. A sua vida, ambulatória, foi um “malentendu”, como disse o prefaciador de suas obras.
     Eis aqui um de seus escritos:

                    Délires II [1]

     A moi, L’histoire de une de mês folies.
     Depuis longtemps je me vantais de posséder tous les paysages possibles, et trouvais dérisoires les célebrités de la peinture et de la poésie modernes.
     J’amais les peintures idiotes, dessus de portes, décors, toiles de saltimbanques, enseignes, enluminures populaires; la littérature démodée, latin d’église, livres érotiques sans ortografe, romans de nos aïeules, contes de fées, petits livres de l’enfance, opéras vieux, refrains niais, rhytmes naifs.
     Je rêvais croisades, voyages de découvertes dont on n’a pas de relations, republiques sans histoires, guerres de religion étouffées, révolutions de moeurs, déplacements de races et de continentes: je croyais à tous les enchantements.
     J’inventai la couleur des voyelles![2] – A noir, E blanc, I rouge, O bleu, U vert. – Je réglai la forme et le mouvement de chaque consone, et, avec des rythmes instinctifs, je me flattai d’inventer um verbe poètique accessible, un jour ou l’autre, à tous les sens. Je réservais la traduction.
     Ce fut d’abord une étude. J’écrivais des silences, des nuits, je notais l’inexprimible. Je fixai des vertiges.

     Podemos considerar Rimbaud como um dos precursores do futurismo.  


Notas de Rodapé de Osório César:


[1] Oeuvres de Arthur Rimbaud, Mercure de France, Paris.
[2]Voyelles”. É o soneto mais célebre do poeta francês.
    A noir, E blanc, I rouge U vert O bleu, voyelles,
    Je dirai quelque jour vos naissances latentes.
   A, noir corset velu des mouches éclatantes
   Qui bombillent autor des puanteurs cruelles,
  
  Golfe d’ombre; E candeur des vapeurs et des tentes,
  Lance des glasiers fiers, rois blancs, frissons d’ombelles;
  I pourpres, sang craché, rire de lévres belles
  Dans la colére ou les ivresses penitentes;
 
 U, cycles, vibrements divins des mers virides,
 Paix des pâtis semés d’animaux, paix des rides
 Que l’alchimie imprime aux grands fronts studieux;

O, supprême clairon plein de strideurs étranges,
silences traversés des Mondes et des Anges:
- O l’Omega, rayon violet des ses Yeux!  

sábado, 4 de junho de 2016

Capítulo 6 - Parte 3 - A expressão artística nos alienados

...continuação do texto...

[Osório César refere agora um texto do mesmo paciente a respeito de Freud]

     Apreciemos agora a sua crítica de um livro de Freud:

    (A psicanálise aplicada à Vida Cotidiana – Edição de Payot. Paris, 1924).

     Preliminarmente: - Freud é tão sutil, que toca os limites da acuidade e sendo da análise micro-subjetiva; ou, também, é tão Grande seu poder indudedutivo, e sua visão analítica, que, por isso mesmo, degenera em sutileza psicopatológica, de fato, emaranhada.
     As obras do ilustre Precursor da Psicanálise são inabordáveis, como todo o demasiado profundo. Já disse, eu, algures, que Freud é um tanto prematuro, desde logo que suas Teorias, - por outra parte famosas – não encontram na maioria, terreno intelectual adaptável... O espírito humano contemporâneo, apesar de sua enorme cultura, não está, para mim, suficientemente preparado, para digerir concepções tão fundas, e tão radicalmente súbitas... De outra maneira, e para usar a linguagem freudiana, o subconsciente intelectual, o subsolo subjetivo da generalidade dos Leitores é incapaz de fazer germinar a semente portentosa, de semelhantes Teorias... Só um pequeno núcleo de Artistas e Intelectuais de escol pode ler, mastigar, e digerir as doutrinas do ilustre Professor de Viena. E a razão é óbvia: - o genial que voa é só acessível aos que têm asas no organismo espiritual. É o caso de Nietszche, e todos os escritores que, por sobrepassar o nível geral, desequilibram, com suas concepções originais, (no presente caso, Freud) – o acervo comum dos conhecimentos adquiridos. O qual, não quer dizer que o século atual seja estritamente incapaz: aquela observação simplesmente significa que, intelectualmente, os tempos correm, são ainda impreparados para receber modificações no status quo, por mil razões sociológicas, eminentemente conservadora... Repito: só a Elite pode ler certos autores que, como Freud, derrubam e devastam princípios consuetudinariamente amitidos como dogma...   
     Realmente. No reino do Interior Humano, a evolução apreensível é lenta, e quaisquer tentativas de explicação satisfatória resultam contraproducentes e antecipadas. A razão? – Estar o Cérebro e seus reflexos, por agora, numa permanência quieta; o que dá lugar a um estado embrionário de estudos aventurados e hipotéticos, que as Massas não admitem sejam radicais, casualmente por seu conservantismo constitucional e ancestral!
     Que é a Ciência da Alma? Conjecturas mais ou menos científicas, que as Multidões querem que não evoluam rapidamente. Por que? Por o móvel do Medo (motivo freudiano) de ver o arraigado decair!
     Que é o Eu e sua Mecânica?
     Um Labirinto, até hoje insondável, precisamente por o temor de receber novas concepções, verdadeiramente evolutivas e competentes. Quem? A mesma Multidão, que, em todo caso, é a maioria!
     A Ciência Subjetiva, ao não poder ser apanhada por o Laboratório, se converte em Dúvida Ortodoxa, ou em Fé automática. É o triunfo do Fanatismo multicor e hereditariamente teológico! Triste Verdade que apavora o ânimo e a ânima científica! Mais... Que fazer? Esperar casualmente que se consolidem os estudos e investigações cerebrais para a Ciência e Porvir Próximos!
     Os mais célebres Cérebros fracassaram em seu intento de explicar à engrenagem cortiçal, e fracassaram por o preconceito de abaixo, e dizer, por a omissão ignorante da Coletividade, sempre em direção teimosa ao quietismo. Aquela teimosia é obra da Propaganda teológico-religiosa, sempre inclinada a não deixar passar o preconizado por os verdadeiros Pensadores, homens máximos que baixo quaisquer aspecto, derrubam diafragmas místico-sociais!
     Os investigadores científicos – malgre os esforços fanáticos – continuam em seu labor em busca da Pesquisa Provável do como e porque cranial!
     A Fisiologia, a Histologia e a Anatomia Patológica do Cérebro são coisas certas: - constituem Teoremas evolutivos fixos de conhecimento definitivo. A parte Físico-Química do Córtex também está no terreno das aquisições biológicas seguras... Mais... A Psicologia in intra do Espírito, essa... não aparece. O mecanismo intelectual per se da Alma... escapa. A perspicada filosófica faliu, ao querer definir e adquirir as noções precisas e matemáticas do Eu... Desde os Helênicos, investigadores e fundadores de teorias e sistemas (Platão e sua escola, Sócrates e a sua) até os modernos bandeirantes da Investigação espiritual (Kant e os seus, Bergson, Balmes e as mil escolas hodiernas) – todos hão fracassado nesse ponto misterioso do mecanismo vital e psíquico da constituição íntima da Psique!
     Paradoxo? Por que? – As fontes da Alma não estão, por ventura, ocultas à mesma Alma? Parodiando Pascal, não se pode assegurar, como Postulado da deficiência humana, que o Cérebro tem razões que o próprio Cérebro desconhece e ignora?
     Os grandes Filósofos e célebres Psicólogos que hão feito, senão recuar perante a Esfinge polilateral e poliforme do Porque Cerebral?
     O mesmo Platão, com suas ideias suprassensíveis; o próprio Kant, com seu apriorismo duvidoso; o tão meneado Descartes, com suas equívocas e ferrenhas conclusões; Freud, Maudsley, Cl. Bernard, Wirchow, com suas inovações fundamentais e preciosas... quem, dentre eles e o que há podido alicerçar axiomaticamente o modus operandi certo, genuíno, matemático e legítimo do Córtex? Ninguém!
     Porque, se é certo que os grandes Biologistas e Filósofos hão esclarecido, relativamente, é entrada do aparelho Psíquico; esses Filósofos, Biólogos e Fisiologistas não hão obrado ainda o milagre divino da Patologia Psicológica completa, certeira, precisa, invulnerável do Eu!
     Repito: - Só aproximadamente se podem explicar as misteriosas gestações do dínamo energético do Cérebro... E esse, apesar dos pesares de Séculos e Séculos de labor!
     A “Psicopatologia da Vida Cotidiana” de Freud é um livro, senão revelador por o menos fortemente original, e cosmopolitamente profundo. Na Literatura Médico-Analítica, e mesmo aquele volume majestoso, uma verdadeira rareza, pois... não está o Público enjoado de ler erudição barata e insubstancial? – Não há fecundidade mais fastidiosa, em verdade, que aquela dos Psicólogos Patologistas, que, dia a dia, enchem as Livrarias de volumes de pura ciência... bibliográfica! O Livro de Freud é um conforto para os Estudiosos (de Inteligência forte) à vez uma necessidade de Biblioteca cultural!
     Nos diversos capítulos da Obra, Freud estuda a “vie courante” interpretada à luz de sua psicanálise... O qual quer dizer somente que o Célebre Autor aborda os fenômenos por o lado de suas manifestações essencialmente psíquicas.
     Ditos fenômenos os localiza no campo estrito da Contaminação inconsciente, em relação, naturalmente, com a esfera do Consciente. Estas palavras consciente e inconsciente, com seus afinos linguísticos e psicológicos, hão sido o tema de moda mais em voga nestes últimos tempos, devido às preconizações do próprio Freud. De passo, há que advertir que quaisquer estudantes de preparatórios, quaisquer meninas lidas têm esses vocábulos na ponta da língua, para todo uso. He aí um ato de Psicologia inconsciente... Ou melhor, fica nesse detalhe apontada a Sintomatologia duma Decadência verbal de inconsciência coletiva...
     Se, como se sabe, as Doutrinas Freudianas são coisas ásperas, como explicar que todo mundo tenha, na conversa, essa profunda doutrina, para todo e em todo? A razão cai baixo à ação condenatriz dessas mesmas premissas científicas que estigmatizam, como verbalismo inócuo e fatal, o prurido inconsciente de falar sobre tudo, sem dar-se conta de que a língua é a pior inimiga do Consciente!
     A motivação freudiana e altamente culta, sadia e meritória, para estar-se usando à larga mão e língua por os deserdados do Talento, que por aí andam, em maioria revoltante!
     Os processos mentais, tratados com maestria por o Colosso de Viena, não são para misturas verbais dos Palavreiros que, escudados com uma fácil literalice, querem (coitados) enxergar Problemas e Fenômenos, ainda em gestação experimental. Há que gritar bem alto: As obras e análises freudianas são, exclusivamente, para os supercompetentes!
     Analisando as “meprises” e “reprises”, estudando os “Conflitos” internos; aclarando “estradas” subjetivas; classificando as ações “refoulés”, catalogando as funções de “associação” e “excitação”, Freud é assombroso! Localiza, por assim dizer, o “inconsciente” e “consciente” num plano visual para a Consciência de Leitor preocupado. Enfim, Freud perturba ao estudar as forças “perturbatrices”. É uma Vertigem aquele Homem. Faz até mal ler-lo sem premeditação Consciensuda. Eu não sei se os Psiquiatras, - tão amigos de encontrar síndromes degenererativas, onde há gênio – eu não sei, repito se ao ler Freud, se terão vingado – ao ver sua incompetência de apanhá-lo, - chamando de Louco!
     O livro que me ocupa não trata de fator sensual – Chave de Ouro de Freud.
     A razão está em que neste Volume o autor não trata senão de reflexos “manqués, lapsus verbais e de Memória e atenção, tratados segundo o experimentado pelo próprio autor... É uma espécie de autoanálise esta notável obra do celebérrimo Freud...        “1926”

     O seu estilo, como acabamos de ver, é bem característico e tem um cunho de originalidade pessoal. O ritmo das palavras é cadenciado e a música agradável ao ouvido. Como expressão é encantadora a sua prosa. Ela é quente e vibrante. Nesse artista degenerado, cuja produção literária é assombrosa, o que mais nos chama a atenção para o seu desequilíbrio mental são: a disposição desordenada de suas ideias anarquistas e a egolatria desassombrada na apreciação de sua individualidade.  



     

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Capítulo 6 – Parte 2 – A Expressão Artística nos Alienados


(no cabeçalho desta parte consta: "um literato excêntrico do Hospital do Juquery")

...continuação do texto... 

Vejamos mais um caso de um doente paranoico, cujas produções literárias são imaginosas e cheias de harmonia e beleza.
Em primeiro lugar vamos contar aqui a sua história psiquiátrica:

“L. (1), colombiano, de cor branca, de 40 anos, solteiro, acha-se no Hospital há mais de quatro anos; foi preso como perigoso agitador popular. Não tem profissão; é socialista-anarquista e, nas horas vagas... jornalista. Há mais de quatro anos o observamos, sempre em estado hipermaníaco, nunca o vimos deprimido, nem um dia. Inteligente, sempre animado, verboso, tem a palavra fácil, espontânea; é orador nato. Dispondo de tal facúndia a serviço de ideias subversivas, não poderá deixar de ser um homem perigoso  no meio de um populacho ignorante, ingênuo, que se deixará facilmente empolgar pelo brilho do exterior de sua verbosidade balofa. Conserva intacta a forma lógica exterior do raciocínio. Imaginação exaltada, concebe ideias e projetos políticos, científicos e literários, sem descambar jamais para a fuga de ideias ou para qualquer outra desordem associativa. Suas ideias nunca saem da esfera do possível; sua palestra é picante, irônica e, por vezes, espirituosa; o seu estado de humor eufórico é contínuo; raros são os momentos em que se deixa arrebatar pela cólera, mas nem mesmo assim descai para a confusão ideativa; é coerente, lógico. Não apresenta ilusões nem alucinações. Sua atenção é normal e, frequentemente, até aguçada. Sua memória é fenomenal; é o sintoma saliente de sua morbidez mental. Lê tudo que lhe cai às mãos e guarda tudo que lê com pasmosa fidelidade. É prodigiosa sua faculdade de retentiva e de evocação. Sua cabeça é uma miscelânea. Ali há de tudo: política, ciência, literatura e arte. Basta tocar no assunto por  uma palavra, é o mesmo que puxar pela ponta o fio de um carretel. Pode falar muitas horas seguidas, não se cansa; isso prova que se trata de um puro automatismo ideativo. Quando dispõe de papel, pena e tinta, escreve tanto como fala em outras horas; escreve versos, escreve artigos, sempre com a mesma inesgotável fecundidade”.
“É um caso típico e puro de mania mitigada ou hipomania. Que se trata de um degenerado, não resta a menor dúvida; um cérebro que se tenha desenvolvido normalmente não apresentará jamais esta forma de loucura”.

A nosso ver trata-se de um “paranoico”, de um degenerado superior.

“Os degenerados têm quase sempre uma hipertrofia do ‘eu’(2), uma exacerbação singular de sua personalidade, um egotismo mórbido em virtude do qual nada vem fora de si próprio. Tudo que disto se afaste não os comove e parece-lhes desinteressante e inútil. Assim, é-lhes impossível conservar uma perfeita posição no mundo exterior. O que os caracteriza antes de mais, é a própria incapacidade no adaptar-se às condições habituais da vida. O degenerado egotista, antissocial, se não em ações, pelo menos por pensamentos, exterioriza constantemente seu mal humor, sua insatisfação invejosa. A natureza, os homens, tudo entretém sua revolta, seu pessimismo. Descuidado das opiniões estabelecidas e dos costumes sociais, ele se exclui nos seus julgamentos puramente subjetivos, confundindo o erro e a verdade, substituindo ao belo o feio, e cultivando igualmente tanto o mal quanto o bem. Sempre à procura de novas sensações, os degenerados, por vezes, são dotados de faculdades brilhantes para descobri-los; são frequentemente engenhosos e, não raro, artistas. No entretanto, a arte deles é desigual; suas produções denunciam particularmente o próprio desequilíbrio, e suas obras refletem a falta de unidade que é a base de sua psicologia. A par de uma sensibilidade doentia, eles manifestam uma inclinação deplorável, uma tendência desastrosa para a extravagância, um desejo incrível de originalidade, uma característica necessidade de singular-se em tudo e por tudo. Essas emoções de que são ávidos, eles a procuram fora do habitual e do moral"(3).

Esse quadro que acabamos de ver encaixa-se perfeitamente na observação do nosso doente, se bem que a palavra degeneração tenha ainda sentido muito discutido quanto à sua verdadeira acepção e significação. Leutz (4) diz que somente devem ser colocados na classificação de degenerados os idiotas, os imbecis e os débeis com ou sem perversões dos instintos ou das aberrações do senso. Magnan, Lombroso, Toulouse já consideram assim a palavra degeneração. Para esses autores, a denominação de degenerados se aplica a todos os indivíduos, quer fisicamente, intelectualmente ou moralmente, que estejam afastados do tipo normal da humanidade. Régis dá-nos uma ideia mais clara da degenerescência: “é uma alienação constitucional”, diz ele, “que afeta a inteligência não somente no seu modo de atividade, mas na sua própria constituição” (5).
Muitas vezes acontece que as taras físicas da degenerescência observadas pelos autores não são constantes nesses indivíduos. Assim, Pitres e Régis (6) fizeram notar a falta desses sinais somáticos na maioria dos degenerados: “La plupart”, dizem eles, “ont le crâne bien conforme, les dents bien implantées, les organes génitaux normalement développés; ils ne présentent même pas plus solvente que les sujets réputés sains les petits stigmates auxquels ont était porte naguère à attacher une importance fort exagérée”.
Magnan determinou graus de evolução nas degenerescências. Há, portanto, o tipo de degenerados superiores, que é constituído por simples anomalia. Há o tipo criado por Régis de Monstruosidades e há o tipo mais baixo, que é o tipo dos degenerados inferiores; neste tipo estão incluídos: o cretino, o idiota e o imbecil. Há ainda um outro grupo onde estão os degenerados médios:Ce sont des individus peu intelligents”, diz Vigen (7), “doués d’une certaine imagination, d’une mémoire difficile ou uniquement d’une specialité de mémoire: celle des dates, des noms propres, des chiffres par exemple. Les facultes d’ordre son absentes. Ils sont donc incapables d’idées fécondes et se débattent sans cesse dans ces conceptions étroites et stériles, et engendrent des associations d’idées d’une pauvreté remarquale, des raisonnements d’une stupidité désesperante, des jugements d’une faiblesse inouise. Ce sont, sous un autre nom, des dèbiles et des arriérés”.
Voltemos ao nosso caso. Que se trata de um degenerado superior é o que estamos convencidos com o caso de L. A sua observação atual em nada se modificou. As suas teorias continuam anarquistas. Nunca está contente com os prazeres que se lhe proporcionam. Continua a ler muito e tudo o que lhe cai às mãos, desde os jornais até os anúncios de remédios. Daí, talvez, o seu polimorfismo literário, pois escreve sobre todos os assuntos e com uma facilidade espantosa. Os seus escritos são agradáveis à leitura e os seus períodos são insinuantes, incisivos e doutrinários. A sua crítica é mordente e às vezes de uma lógica irrefutável. Outras vezes, os seus escritos estão cheios de paradoxos. Quem ler os seus trabalhos tem a impressão de ler um discípulo de Vargas Vila, tal a semelhança que apresenta o seu estilo com o do escritor colombiano. É preciso dizermos aqui que L. é um apaixonado admirador de Vargas Vila; conhece quase todos os  seus livros e, se dermos crédito ao que ele diz, foi companheiro daquele apreciado escritor.
Ouçamo-lo em

Reflecciones de un Solitario...
Para J. (8)
Homenaje de alto aprecio
                   I
El Psico-Análisis, para uso y em uso de los Médico-mentalistas, no será un puñal, en manos de un loco?
                 II
El Psiquismo, á disposición de los Psiquiatras, no será como un reloj, em poder de un niño?
              III
Hace 150 años, que um Medico, lhamado Pinel, descubrio El Recogimiento como única panacea, para las enfermidades mentales y anexos. Pasado esse tempo, outro Médico célebre, Kraepelin, confirmo la tal descubierta, aconsejando El Encierro (!) como remedio soberano, para Locuras y Delirios. Recoger, Encerrar, Coatar, Aislar, he ahi la Fórmula, antigua y moderna, em la cual se sintetiza el adelanto (?) de la famosa Doctrina Alienifera. El progresso de La Psiquiatria, vá, pues, como el Cangrejo, de adelante para atrás, ó mucho peor. I á eso lo lhaman Evolución!
             IV
La Medicina Mental, no pasa de un flagrante atropelo á las libertades individuales y al Derecho Natural. Si fuese uma ciencia exacta, no tendria tantas lagunas y monstruosidades. Sobretudo, si tuviese prévio desarrollo lógico, no tendria necessidad de la ayuda de La Policia, para la tarea de Recoger! Los Delegados son, em realidad, los verdaderos vehículos de esta semi-ciencia. De ahi ser odioso para El Publico todo lo relacionado con hospícios y alienistas. El dia que desapareça la intervención de los Secretas y tiras, no veremos en Los Hospicios, mayores interdictos y otros revoltantes actos de origen policivo!
           V
Los buitres devorando el pecho de Prometeo! Quiza sea esa legenda mitológica, el mejor schema para representar los sufrimientos de Un Hombre en el mulador de Un Hospicio!
           VI
El Cristo lhamó á los Hipocritas: Sepulcros blanqueados. Yo creo que no fué sino á los hijos de Hipócrates que el se refirio! Habeis visto fachada de Petulancia igual a la de los clínicos hospitalares? Observa los Hospicios. Que barniz atrayente! Que fuentes! Que jardines! Si hasta parece que se musicaliza el Silencio! Eso en los Halls. Y por dentro? Extorsión, Podredumbre, Necroterio Jeologico! Asi los Psiquiatras. Externamente, sonrisas, promesas, armonia. Interiormente: Engano, traición, canalhada!
c           VII
Qué es La Alienologia? Un Microbio macróbio – Una Lección Lesionada – Una imensa cantidad de Palabras Palabreadas.
          VIII
Qué es un Hospicio? Un Hospicio es um Chiquero Evangelico; una cloaca mefítica; un Necroburgo, á priori.
           IX
El Monólogo, - dicen los Psiquiatras, - es prueba de Degeneración. Esse es un preconcepto ad hoc y fatal que los clínicos esgrimen para aumentar el valor de su pesquisa, y rebajar la superioridad etiológica de ciertas manifestaciones intelectuales, ad natum. Por ventura, no fué El Soliloquio, la prerrogativa de ciertos Grandes Espiritus, aislados, concientemente, en el domínio inefable de La Contemplación? Y qué es esta, sino el refugio abstraído de La Palabra y La Idea? Los máximos Pensadores así lo comprendieron, desde Demóstenes que hablaba sólo, á órillas del Helesponto, hasta MIchelet y De Maistre, que concebieron y dieron a luz sus sublimes partos ortezales; monologando Mozart y Beethoven, hicieron  sus famosas Partituras y Sonatas, conversando consigo mismos. Y San Agustin y Bossuet, dialogaban con ellos, es decir, con otro, Agustin y el otro Bossuet, subgetivos… En la actualidad, Lloyd George y Venizelos, palestran con su Yo, al componer sus vigorosas sinfonias oratorias…J…Mas do que valem los ejemplos vividos, ante el analisis mortifero de los Patólogos adocenados e incompetentes? Esos Sepultureros del Espirito que en todo buscan, ansiosos, el átomo de la Malversasión e Incoherencia?
La armónica série de Delectatión Artistica y Placer Creatriz, es siempre, para ellos, materia de autopsia, y la Musica que todo individuo electo trae consigo, solo sirve a los Patologistas, para espiar y apurar el sedante de mezquinos syndromas! Ironia cruel que sólo el Desden combate y neutraliza, en la olímpica retorta del Desperdicio.
                X
La neuro-Psicopatia, oficializada, no será El Error convertido en Ley?
               XI
El recogido hace ruído y contorciones? – Es loco furioso e incurable afirma el Alienista. – El recogido no hace ruído ni contorciones? – Cretino es, assegura el Galeno, é incurable tambien, por lo mismo... En ese diametro ferreo descansa el valor de todo el edifício psiconeurologico. Despues de este Resúmen de Patogenia curatriz, - habrá alguien – que no sea idiota – que crea en el embrión psiquiatrico?
Fragmentos de la obra inédita “Los amados de Molière”.     "1924"

Notas de Osório César:
1 – Esta observação é do prof. Franco da Rocha e foi extraída de sua memória.
2 – (no rodapé e no texto não há numeração correspondente a esta nota) “Psicose maníaco-depressiva”, apresentada ao 2º Congresso de Psiquiatria, Neurologia e Medicina Legal de São Paulo, pag. 46, 1918.
3 – Antheaume et Domard. Obra citada pag. 195-196.
4 – Citado por Vigen. Le talento poétique chez les dégénérés. Thèse. Bordeaux, 1904.
5 – Régis. Manuel pratique de médecine mentale, pag. 250, 2ª ed.
6 – Citado por Vigen.
7 – Obra citada, pag. 31.
8 – Dedicado a um toxicômano crônico, internado judicialmente.  

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Capítulo 6 – Parte 1 – A Expressão Artística nos Alienados


Devemos lembrar que esta obra de Osório César é dos anos 1920. Desse modo, retrata conceitos da psiquiatria desse período, com uma linguagem que eventualmente pode soar estranha aos dias atuais. O que mais nos interessa é frisar o enfoque do autor a respeito da arte produzida pelos pacientes psiquiátricos, trazendo uma vertente humana desses indivíduos.
Osório César inicia o capítulo com frases que resumem o conteúdo do capítulo:
O “mattoide” de Lombroso. Conceito médico-psicológico da paranoia. Definição de H.  Roxo, Tanzi e Lugaro. Opinião de Freud. O “Antropotérico”, divagações filosóficas de um paranoico. Um literato excêntrico do Hospital do Juquery. Arthur Rimbaud precursor do “futurismo”. Desenhos de um louco moral do Hospital do Juquery.

...continuação do texto...

Lombroso criou a palavra “mattoide” (1) para designar os indivíduos comuns que apresentam semelhanças com os homens de gênio e para firmar uma transição gradual e imperceptível entre os loucos possuídos de gênio, os homens normais e os loucos propriamente ditos.
Esta variedade constitui na psiquiatria, como diz Lombroso (2), uma espécie particular de um gênero assinalado primeiramente por Maudsley, com o título de homens com temperamento vizinho da loucura; por Morel, por Legrand du Salle e por Schüle como nevrósicos hereditários; por Régis como nevropatas e ainda por muitos autores, como paranoicos.
“A paranoia, que significa pensar errado, pensar de viés", diz o prof. Roxo (3), "consiste em um delírio sistematizado, bem encaixado, lógico, sem alucinações como elemento essencial e antes como verdadeira exceção, em que de uma ideia falsa tira o indivíduo uma série de conclusões razoáveis e em que há, como vício fundamental, primitiva e originária autofilia, egocentria resultante, inadaptabilidade ao meio e reação consequente a este”.
A psicologia do paranoico (4) é vária, mas característica. A paranoia poucas vezes se encontra nos manicômios. São doentes que por aqui vivem cuja vida é um romance – muitas vezes trágico – que desgraçam famílias e esbanjam fortunas, mas que raramente caem entre as grades de um hospício. Defendem-se. Tornam-se perigosos. Apresentam-se como vítimas de ignóbeis perseguições. Discutem, argumentam, sofismam. Tão habilmente que a todos iludem. E conseguem impor-se às multidões. Passam por santos, por super-homens. Adquirem devotos. Admiradores incondicionais. São os casos de loucura coletiva – tão conhecidos – nos quais sempre uma personalidade mais forte age como indutora, como fonte fanatizante. Em todas as reformas sociais ou religiosas, não é sempre um homem que se impõe e domina os demais?
Mas na paranoia, existem várias formas. Distintas umas das outras. Que diferentemente provocam reações várias e aparentemente diversas. O fundo porém é único...
Alguns, de temperamento contemplativo, tornam-se santos, beatos. (Como os cristãos antigos, que fugiam para os desertos ou enterravam-se vivos em mosteiros). Outros, ativamente lutam, combatem em prol da verdade. E aí estão as lutas religiosas da história.
Em tudo por tudo a mesma feição delirante: nuns, delírio de reforma política, social ou religiosa; noutros apenas um singelo delírio religioso.
Contudo, são igualmente nocivos. Com suas reações antissociais, tudo ameaçam, tudo subvertem. (Os anarquistas militantes, em sua maioria, são meros paranoicos, afirma Lombroso).
À maneira dos cavaleiros andantes, mostram-se generosos, desinteressados. Novos Lancelotes du Lac, são capazes de gestos nobres, que mais os impõe à admiração do populacho.
Os paranoicos reformadores são sempre lúcidos, conscientes: não só não renegam suas ações, mas delas se vangloriam. Verdadeiramente apresentam um estado d’alma, que se não afasta muito do de um indivíduo normal, sob o estímulo de uma paixão, entusiasmado por um ideal nobre e alevantado. E por isto, fascinam, empolgam, dominam. Admirados, endeusados, consagrados, por sua vez sofrem a influência do meio, do ardor dos que os acompanham. Progressivamente, mais e mais se cristaliza a ideia de que são realmente super-homens, que tudo lhes é permitido. Que têm uma missão de bem e de justiça a cumprir na terra. Como bem diz o grande Euclides, estudando as etapas sucessivas do Profeta de Canudos.
Entre ignorantes, supersticiosos e broncos, passam como rastilho de pólvora as ideias incandescentes desses iluminados. Todos os anômalos crédulos e sugestionáveis, prontos a inflamarem-se por ideais heroicos e móveis transcendentes, são presa fácil de tais homens. Dizem-no os tratados de psiquiatria, dizem-nos os fatos.
O paranoico é, regra geral, um “assoiffé” de justiça. Suas palavras despertam eco, no fundo vago das aspirações latentes, de todo um povo. E os discípulos aparecem, e os sectários pululam, prontos para a luta, dispostos a derramar a última gota de sangue, por quem os hipnotizou. E tem-se Canudos... Perigo formidável e sempre iminente.
Tanzi e Lugaro (5) descrevem deste modo o paranoico: “I paranoici sono formalmente altrettanto mistici del volgo e dei selvaggi; in realtá sono piu mistici di essi e di tutti, perché il loro misticismo nasce, si svolge e persiste a dispetto dell’ambiente. Del resto, le manifestazioni del misticismo paranoico sono qualitativamente simili a quelle del misticismo primitivo: única differenza e appunto l’ambiente storico da cui scaturiscono. I primitivi sono figli del loro tempo; il paranoici sono anacronismi viventi. Il misticismo dei primitivi é la manifestazioni modesta, tranquilla e collectiva d’un pensiero imperfetto che si sviluppa; il misticismo dei paranoici é l’esplosione audace, violenta e individuale d’um pensiero in regressed anticivile”.
“Na paranoia Freud tem encontrado”, diz Franco da Rocha (6), “recalcadas, tendências sexuais diversas, e a principal força do recalcamento seria nesses casos o desgosto, a repugnância, o que quer dizer que o paranoico é em suma, autoacusador. Isso se torna possível pelo mecanismo que ele denomina de projeção, isto é, o paciente projeta sobre as pessoas de sua convivência os sentimentos de ódio que lhe surgem dos recalcados sentimentos de amor (homossexual). O paranoico acusa outras pessoas de estarem a dizer dele coisas que, na realidade, existem no seu próprio inconsciente. Sem a compreensão exata da ambivalência afetiva, será também impossível compreender o mecanismo da projeção. É indispensável admitir a existência de um sentimento consciente e de um oposto inconsciente, que é o que se projeta no exterior ou é atribuído a outras pessoas”.
Um dos fatos mais característicos que se nota na observação dos paranoicos é principalmente a convicção exagerada de seus méritos pessoais, de seu próprio valor perante a humanidade. E esta convencida opinião que eles têm de si próprios, não se cansam eles de demonstrá-la, tanto nos seus escritos, associações absurdas de ideias com contradições frequentes e prolixidade, como nos atos e conversações da vida diária.
Curiosa é também a preocupação que os paranoicos têm de quererem renovar as ideias dos homens políticos e dos grandes pensadores. E para isto eles empregam, nas suas discussões, uma maneira tão extravagante e inqualificavelmente exagerada nas ideias, que lhes emprestam, por vezes, um cunho original. Estes indivíduos, absolutamente convencidos de suas opiniões, não as modificam quaisquer que sejam os argumentos que lhes sejam apresentados.
É da lavra de um paranoico este trabalho filosófico:

                                            O Antropotérico (7)
“A Etiologia do Homem constitui hoje mais do que nunca um conglomerado de caracteres e fenômenos tais que só a Fisiologia e a Anatomia comparada de concerto com a Antroposomatologia e a História Natural é que podem estabelecer propriamente todas as analogias, antagonismos e ambiguidades concernentes ao curso da descendência correlativa ou árvore genealógica do tipo-homem. Considerados logicamente por um sistema de prismas eticopaleoontológico-antropogenético esses mesmíssimos dados etiológicos formarão ângulos de refringência no mesmo plano de arestas da Ontogenia e da Zoologia. Foi na segunda metade do século das luzes que floresceram os mais festejados cientistas e pensadores e ainda hoje em pleno século vintésimo cognominado do Pensamento, assiste-se predomínio absoluto daquelas doutrinas que tanto se imortalizaram no espírito da Humanidade e encontram ainda as mais francas e entusiásticas celebrações nos foyers da Atualidade. Como pioneiros do Evolucionismo (Cuvier do Atavismo do Globo). Lammarke, Linneu, Darvin, Huxley e Haeckel atestaram com a maior clarividência de testemunhos irrefutáveis, os pontos de contato e derivações consecutivas entre o tríplice reinado da História Natural”.
“Surgiu posteriormente o Positivismo cujos enciclopedistas apostolando (apostatando simultaneamente os mais transcendentes) todos os princípios da Filosofia rejeitaram perfunctoriamente a doutrina do Espiritualismo pretextando os seus preconceitos de verdadeira ‘res incognoscibilis’”.
“Mas a etiologia do homem nada sofreu perante qualquer seita até pelo contrário pelo papel que ela representa no cenário do modernismo filosófico pode-se considerar como a obra mais gigantesca do Espírito Humano e da qual só se pode cristalizar um transumpto monográfico ou epítome”.
“A Filogenia do Homem Pensante faz parte além da matemática e da astronomia porquanto só o homem pré-histórico é calculado aproximativamente em meio milhão de anos outros concursos igualmente poderosos como o da Biologia e da Arquimia vem completar o ciclo formidável dessa grandiosa disciplina”.
“Não obstante por assim dizer, tamanhas etapas do pitequismo ou macacos humanos, não obstante ainda os graus de civilização que o homem tem atingido durante tão longo transcurso histórico-biológico um enorme ou melhor avultado número de caracteres somáticos, fenômenos e idiossincrasias o têm conservado ainda no terreno dos quadrúpedes propriamente ditos. Se não fosse propriamente as articulações em diagonais dos membros apreensores e locomotores a prova mais autêntica da sua reversibilidade a um tipo inferior da escala zoológica haveria ainda outras características hierárquicas ou anatômicas quimiotóxicas e analíticas que militam rigorosamente contra o chamado Ortoestantismo”.
“Os braços que eram dotados de faculdades locomotrizes conservam-se por assim dizer dependurados no tronco e pelo menos uma modificação se patenteia aos nossos olhos por influxo talvez das adaptações mesológicas que foram inquestionavelmente progressivas; essa modificação é a flexibilidade invertida: flexão do cotovelo”.
“Nos membros inferiores se registram analogamente o mesmo fenômeno: flexão diametralmente opositória”.
“Ora essas modificações anatômicas são imanentes a todos os indivíduos logo é uma consequência congênita da estação ou melhor degenerescência congênita de Verticalismo que tende a desaparecer ulteriormente desde o momento em que a nossa Espécie adquira os seus primitivos caracteres morfogênicos e cujo computo cronológico é enigmático”.
“Pode-se fazer uma estimativa mais ou menos categórica da época de restauração do Homem em um tipo específico inferior muitíssimo inferior e cuja inferioridade na escala zoológica pode ir até os marsupiais; a classe básica dos animais por excelência, a classe que deu origem a tantíssimos representantes atávicos na época terciária se não nos falha a memória...”

E por aí vai, neste teor, empregando termos pomposos, neologismos, enchendo laudas de papel para chegar à conclusão de que o homem tende a voltar para a estação horizontal.
Espírito vivo, inteligente, de uma cultura mediana, este doente é dotado de uma memória prodigiosa.
Em quase todos os paranoicos grafômanos são dessa maneira tenazmente defendidas e sustentadas as suas convicções; entretanto, no meio desses escritos cheios de absurdos vamos encontrar, às vezes, ideias e pensamentos geniais.
“Quando comparamos”, diz Lombroso (8), "esses estúpidos abortos com as pinturas nascidas sob a inspiração da loucura (não falo aqui dos pintores que se tornam loucos, nos quais, como nos poetas e músicos, o talento antes se enfraqueceu, sobretudo pelas tendências viciosas e falta de harmonia nos tons), que diferença! Achar-se-á muitas vezes nos verdadeiros loucos, o absurdo, o desproporcionado, mas também encontrar-se-á o verdadeiro e a excessiva originalidade unidas a uma beleza selvagem e sui generis, que lembra em certos pontos as obras de arte da Idade Média e sobretudo dos Chineses e Japoneses, tão ricas, tão extraordinariamente ricas em símbolos; ver-se-á, em suma, que a arte sofre não da falta, mas do excesso de gênio que acaba por se abafar nele próprio”.

Notas de Osório César:
1 – Matto em italiano quer dizer louco.
2 – L’homme de Genie. Tradução francesa, pag. 344. Felix Alcan. Paris, 1909.
3 – Manual de Psiquiatria, 2ª ed., 1925.
4 – J. Penido Monteiro e Osório César. Do mórbido na literatura nacional. (Os Cangaceiros) de Carlos D. Fernandes. Imprensa Medica, nº 14, Dezembro, 1928.
5 – Tratatto dele Malattie Mentali. Milano, 1923.
6 – Obra citada.
7 – A ortografia, os neologismos e a pontuação estão aqui reproduzidos de acordo com os originais do autor (palavras estas do texto de Osório César).
8 – obra citada, página 380.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Capítulo 5 – Parte 5 – A Expressão Artística nos Alienados


...continuação do texto...

As obras do 3º grupo da classificação de Réja, onde se encontra contida uma emoção ou uma ideia, com uma fonte de perquirição literária, não são muito comuns nos nossos Hospícios.
Como exemplo deste gênero de literatura este autor cita a seguinte poesia:

L’encrier brisé (1)

Dans mês longues heures d’exil, chère Marie,
N’ayant pour me distraire, et pour te parler,
N’ayant plus que cela pour causer à ma mie
Que du papier, ma plume et mon encrier.

Je façonne des dessins. Pour toi chère Marie
J’écris mês chères pensées. Je cherche à proser
Des vers sur ce papier, et cela est mon envie
Pour te plaire, avec ma plume et mon encrier.

Cette encrier et cette plume, bonne Marie
C’est le seul passé-temps que hélas! m’est accordé,
Mais j’ai toujours peur, et cela est mon ennui,
Que l’on vienne me prendre ma plume et mon encrier.

Je te garde dans ma poche, petite Marie,
Jalousement. Car j’em tremble rien que d’y penser;
Car je vois qu’à tout le monde il fait envie
Car tout  le monde est jaloux de mon encrier.

Car cela fait rager les jaloux, bonne Marie,
Que par la plume, je te puisse encore charmer,
Aussi voilá pourquoi leur cruelle jalousie
Fait que de rage, ils ont brisé mon encrier.

Além de tudo isso que acabamos de ver, encontramos também na literatura dos alienados símbolos, metáforas, alegorias, sátiras, que enriquecem as suas inúmeras composições. Mas, as tendências mais frequentes encontradas nas poesias desses insanos artistas são: assonâncias, anfibiologia, sentidos duplos, estereotipias e o amaneirado enfático das palavras.
Exemplo:

J’aime le feu de la Fougère
Ne durant pas, mais pétillant;
La fumée est âcre de goût,
Mais des cendres de la Fougère
On peut tirer em s’amusant
Deux sous d’um sel qui lave tout
E soude, un sel qui lave tout. (2)
                                          Mic-Mac.


Notas de Osório César:
1 – Citado por Réja, pag. 145. Obra citada.
2 – Régis – La poésie dans les maladies mentales. Encéphale, tome I, 1906.  

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Capítulo 5 – Parte 4 – A Expressão Artística nos Alienados


...continuação do texto...

Para avaliarmos melhor os escritos literários dos alienados desse grupo, primeiro da classificação de Réja, apresentamos mais estes versos originais, cuja incoerência nas ideias é flagrante, saltando aos nossos olhos um palavrório puramente intelectual, salpicado de vez em quando de grosseira expressão, entre ideias e imagens confusas:

Apologia de Napoléon (1)

Onze minutes, criant, horizon.
Canons, lueurs, secondes, dètonation.
Nous calculâmes qu’Apollon
Fasse cent dix lieues en phaeton;

Dix-huit-cent, observe Colonel,
Qu’Icare se perdit au soleil,
Don Louis ne mourut pas, Napoléon,
Craignit d’Espagne l’Inquisition,
Le duc d’Enghien ne devait pas suffrire
Pour tuer souffrir, il guillotine.

As obras do segundo grupo – onde se encontra contida uma emoção ou uma ideia – são numerosas.
O mecanismo psíquico nesses doentes acha-se fortemente excitado; o fenômeno mórbido da obsessão impulsiva cria então, na imaginação deles, ideias artísticas e literárias surpreendentes.
“A imaginação superexcitada faz conhecer ideias artísticas e literárias, diz Régis, que surgem em multidão e nada têm nelas mesmas de absurdo e se conservam nos limites da coerência. Muitas vezes mesmo, em razão do estado de exaltação extrema das faculdades intelectuais, elas oferecem um caráter de originalidade, de novidade, de distinção e de superioridade, que as tornam verdadeiramente admiráveis”.
Escutemos:

Rayon d’amour (2)

Quand je te vois, mon bel ange adore
L’amour fait tressaillir mon âme,
Ma lèvre alors sur ton sein enfievré
Dépose un doux baiser de flame.

A moi seul appartient ton coeur;
Je l’aimer, ai la vie entière,
Rayon d’amour, douce lumière,
Apporte-moi, le vrai bonheur.

Esses versos, de simplicidade encantadora e bela sonoridade, são de um histérico, com provas de sadismo.
Eis um soneto muito curioso da lavra de um doente de psicose maníaco-depressiva:

Buraco (3)

Buraco que não é de formiga
Que é um fundinho mui gostoso,
a uns beatos causa intriga
por motivo religioso...

Perdoê-nos a Santa Religião
Tão severa em seus mandamentos,
gozemos o Amor e a paixão
nos seus psicológicos momentos.

Oh! O amor nasceu com o homem,
É o seu eterno companheiro,
nem a dor nem o tempo consomem
as  veemências do deus brejeiro...

O homem foi feito de barro
Como diz a Santa Escritura,
mas é um vivente mui bizarro
obediente às leis da Natura.

O nosso caríssimo pai Adão
Que feliz viveu no Paraíso,
por sua Eva teve forte paixão
pecou, gozou, não teve juízo...

Sigamos o nosso primeiro pai
que sentindo Amor gozou a flor...
Amai, humanidade, Amai!

Apreciemos agora uma das produções mais originais que temos visto na literatura dos alienados, como concepção, vida movimento e malabarismo desenfreado:

Dédié à ma brue (4)
Études astronomiques – Littèrature française
Himne á la terre

Em ta révolution, marche, marche Terre que me reçus, me donna assistence, la vie.2
Toi que mes pieds ont foulé et foulent encore. 3
Toi, qui fus dans ma jeunesse l’object de mes ètudes et que j’étudie toujours.
Toi, dont j’admire la légèreté, la vitesse,4 la régularité: 4 bis Quelle Loi te contraint depuis des siécles des siécles!
Soecula Soeculorum! 5
Dans ta course... sensèe, toujours tu évites un choc que pour des Humains serait leur perte.
Mais Celui 6 qui fit le monde, voulut malgré ta rotation 7, qu’ils restassent debout et qu’ils n’ignorent point que Tu parcours, dans l’imensité pendant une année accompagnée de ton Atmosphére e de ton Satellite. Lune – une étendue au minimum, de Deux cent trente millions de lieuses!
                           230.000.000 !
Matin! Notes
1.      En 365 jours, 6 heures.
2.      Allusions au domaine de VE
3.      69 ans.
4.      550.000 lieues en 24 heures.
5.      Indè finiment.
6.      Le Créateur.
7.      En 24 heures, chont
                          4 bis se rend toujours à son point de départ.

Essa composição literária, de uma formidável engenhosidade cabalística de palavras, escritas por um louco, não deixa de apresentar uma certa emoção aos leitores, sobretudo quando se conhecem as produções da arte ultramoderna.
Como exemplo, citemos o Poema Abúlico, de Mário de Andrade, que é um dos mais interessantes trabalhos do apreciado e querido escritor da nova geração dos artistas paulistanos:

Poema Abúlico (5)
                              A Graça Aranha

Imobilidade aos solavancos.
Mário, paga os 200 reis!
Ondas de automóveis
                  árvores
                  jardins...
As maretas das calçadas vêm brincar a meus pés.
E os vagalhões dos edifícios do largo.
Viajo no sulco das ondas
                                              Ondulantemente...
Sinto-me entre mim e a terra exterior.
                     Terra subconsciente de ninguém
Mas não passa ano sem guerra!
Nem mês sem revoluções!
Os jornaleiros fascistas invadem o bonde, impondo-me a leitura
dos jornais...
                     Mussolini falou.
Os delegados internacionais chegaram a Lausanne.
                     Ironias involuntárias!
Esta mulher terá sorrisos talvez...
                     Pouca atração das mulheres sérias!
                     Sei duma criança que é um Politeama de convites
                     de atrações...
As brisas cobrem-me os lábios com as rosas do Anhangabaú. Sol
pálido chauffeur japonês atarracado como um boxista.
                                         Luz e força!
                                Light & Power
Eu sou o poeta das viagens de bonde!
Explorador em busca de aventuras urbanas!
Cendrars viajou o universo vendo a dança das paisagens...
Viajei em todos os bondes da Pauliceia!
Mas em vez da dança das paisagens,
Contei uma por uma todas rosas paulistanas
 e penetrei o segredo das casas baixas!
                  O! quartos de dormir!...
                  O! alcovas escuras e saias brancas de morim!
                  Conheço todos os enfeites das salas de visitas!
                  Almofadas de gato preto;
                  lustres floridos em papel de seda...
                 Tenho a erudição das toalhas crespas de crochê, sobre
                 o mármore das mesinhas e no recosto dos sofás!
                 Sei de cor milhares de litografias e oleogravuras!
                 Desdêmona dorme muito branca
                 Otelo de joelhos, junto do leito, põe a mão no coração.
                 Have you prayed tonight, Desdêmona?
                 E os bibelôs gêmeos sobre os pianos!
                 A moça está de azul
                 Ele de cor de rosa...
                 Valsas lânguidas de minha meninice!
Em seguida: Invasão dos Estados Unidos.
Shimmyficação universal!
O foxtrote é a verdadeira música!
Mas Liszt ainda atrai paladares burgueses...
        Polônias interminavelmente escravizadas!
             Paderewski desiludiu-se do patriotismo e voltou aos a-
plausos internacionais...
                   Como D’Annunzio.
                   Como Clemenceau.
                                 Os homens que foram reis hão de sempre a-
cabar fazendo conferências?!...
Mas para mim os mais felizes do mundo
são os que nascem duvidando se são turcos ou gregos...
                                                       franceses ou alemães?
                                  Nem sabe a quem pertence a ilha de Martim
Garcia!...
              História universal em pequenas sensações
                    Terras de Ninguém!...
               ...como as mulheres no regime bolchevista...
No entanto meus braços com desejo de peso de corpos...
Um torso grácil, ágil, musculoso...
Um torso moreno, brasil...
Exalação de seios ardentes...
Nuca roliça, rorada de suor...
Uns lábios uns lábios preguiçosos esquecidos num beijo
de amor...
Crepito:
E uma febre...
Meus braços se agitam.
Meus olhos procuram de amor.
Sensualidade sem motivo...
É o olor óleo das magnólias no ar voluptuosos desta rua.
          Dezembro – 1922.
                                                            Mário de Andrade.

Notas de Osório César:

1 – Citado por Réja, pag. 114, obr. cit.
2 – Viegen – Le talento poétique chez les dégénérés. Thése de Bordeaux, 1904.
3 – Os versos foram feitos quando o doente se achava em estado de excitação maníaca, sendo notável o número de poesias por ele compostas durante essa fase da psicose maníaco-depressiva.  
4 – Citado por Réja, pag. 123. Obra cit.
5 – Klaxon, nº 8-9. São Paulo, 1922-23.